segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

as ideias também precisam de ser arejadas...

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017
uma das orlas do parque de Angeiras ao fim do dia
Este fim de semana, mais precisamente no sábado de manhã, sentei-me em frente ao computador para escrever um novo post e não saiu nada, nem uma palavra, nadinha nos meus neurónios, por mais que os espremesse os sujeitos decidiram fazer greve . E tenho tanto para partilhar por aqui, desde novos trabalhos, a outros já terminados, novos items também, mas é assim, nem sempre acontece. A inspiração não cai do céu e certamente também não se vende em latinhas. Posto isto, decidi que tinha de organizar as ideias e dar-me ao trabalho de desenvolver algumas actividades que me ajudassem, por um lado, a limpar a massa cinzenta de assuntos que não me interessam ter como permanentes, que é como quem diz arejar as ideias, por outro lado ajudar a (re)organizar as outras ideias, as boas, estão a ver. Foi o que fiz. Comecei por me atirar ao quintal a desbravá-lo, quintal que já não era mato mas sim floresta, estava o caos. Algumas ervas daninhas quase se transformaram em árvores (!) é verdade, não estou a exagerar. Não ficou nada bom, longe disso, mas ficou muito melhor. Há que voltar e continuar.
um antes e depois não muito convincente mas há diferenças!
Também fiz uma manutenção arejada à casa. Sem chuva a intrometer-se pelo caminho, abri as janelas de par em par e sacudi tudo o que fosse possível de ser sacudido, de tal forma que o meu nariz começou a fungar, graças às correntes de ar e pós que se fizeram sentir. Fecha! não queremos nem constipações, nem alergias. Quintal e casa limpos. Ideias mais arejadas. O que fazer a seguir? deixar-me de tarefas enérgicas e relaxar. Ler, foi o que fiz, avancei mais umas páginas do livro que me acompanha de momento (Apenas Miúdos, da Patti Smith) e também foi revitalizante, a leitura funciona como uma espécie de higienização cerebral, faz bem e recomenda-se. Ao final do dia fizemos uma saída em família até ao shopping para continuar a arejar as ideias. Depois de umas comidas, uns meteram-se na Fnac e outros (eu) na Ikea, para ver as novidades. Vi, gostei e listei algumas para mais tarde reflectir sobre a efectiva necessidade das mesmas... sabem como é, não podemos viver de impulsos, caso contrário, nos dias seguintes aos impulsos, lá ficam os neurónios outra vez numa lástima. E o sábado terminou. Domingo. Tanto sol! vamos sair, anunciei eu logo pela fresquinha, não fossem eles começar a idealizar as espreguiçadelas no sofá depois de almoço, os jogos de computador e os filmes na tv. Nem lhes dei hipótese, sublinhei vamos sair e fazer um piquenique! Senti de imediato um olhar inquisidor por parte do mais velho, que já está naquela fase em que sair com os pais e o irmão mais novo é um verdadeiro aborrecimento. Fiz de conta que nem reparei, olhei para ele com um sorriso de orelha a orelha, tal e qual como se ele tivesse achado a ideia de sair com o papá, a mamã e o maninho uma autêntica maravilha. Coitado, nem teve tempo para reagir, o pai e o pequeno R não hesitaram e acharam uma belíssima ideia, pelo que ganhei dois aliados. Três contra um, nada a fazer, adolescente para dentro do carro. Fizemos uma passagem rápida pelo supermercado para comprar frango assado, batatas fritas, fruta e uns verdes, e ala que aí vai, todos para Angeiras para o parque de campismo. Tão bom. Estava um sol arrebatador. Piquenicámos e soube-nos pela vida. Arejámos a rulote, verificámos se o material estava em condições, passeámos e desejámos que o bom tempo viesse o quanto antes, para podermos fazer os nossos fins de semana no campismo, que tanto gostamos. No final do dia começou a ficar frio, regressámos a casa consolados e já com as energias nos sítios certos.

uma manta bem aos estilo traicional, falta rematar as pontas
À noite, já ao serão, os miúdos recolheram-se nos seus quartos e nós sentámo-nos em frente à tv e zapámos, zapámos, zapámos... ainda peguei na manta que ando a fazer, fiz a última carreira, só faltava rematar as pontas mas não me apeteceu, como é óbvio. Não me fixei em nada, apenas deixei que o sono tomasse conta de mim. Hoje os neurónios voltaram e eu volto a falar-vos de crochets daqui a uns dias.
Tenham uma excelente semana ;)


Até já
Ana Lado B


11 comentários:

  1. Tãooooooooo bom arejar as ideias assim!

    ResponderEliminar
  2. Bem, o teu quintal levou uma reviravolta enorme! Isso é que foi trabalhar =)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, soube-me pela vidinha, renovei bastante energia :) ui, mas até que fique como quero ainda vou ter muito que lhe dar...

      Eliminar
  3. Olá Ana, de vez em quando também faço assim umas quebras, não quero saber de nada além de sair de casa, ver coisas e sentir vir a inspiração. Uma pena realmente a inspiração não se vender em frascos, isso é que era, daria um belo de um jeitão!! hahaha.
    Essa manta está top! cores lindas, lindas!
    Sobre a casinha em Paris: nem precisava de tanto, algo mais pequenino mas tão charmosa quanto aquela, daria par eu espalhar os meus moveis velhos para serem recuperados e a máquina de costura! não custa sonhar, pode ser que se realize! beijinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olha que isto que eu vou dizer é a pura das verdades. Quando estava a fazer a manta pensei em ti várias vezes, precisamente por causa das cores, identifiquei-as muito contigo, a sério! Em relação à casinha dos crafts, é como dizes, quiçá. Nada como acreditar muuuuuito ;)

      Eliminar
  4. Olá Ana!
    Nem imaginas o quanto eu adoro arejar as ideias dessa forma. Ainda está semana o fiz e Soube me pela vida!
    Tenho que te dizer que sou fã desse teu quintal tão acolhedor.

    Beijinho e bom fim de semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, sabe pela vida! Oooh o meu quintal, coitadinho, tenho-lhe dado tão pouca atenção... mas assim que o sol permanecer nos nossos dias vou voltar a colori-lo, com flores e uns hortícolas ;)

      Eliminar
  5. Tem graça , eu por exemplo em momentos de maior tensão sou ótima para arejar ou como lhe chamam agora destralhar :)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boa! Bem que gostava de destralhar muito mais do que aquilo que consigo, mas confesso que me custa desfazer de alguma da tralha que vai habitando os armários cá de casa... ;)

      Eliminar

Faz bem aos olhos | Crochet - Crafts - Lifestyle © 2014